21/02/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Bons resultados

Pesquisa da UEL aponta benefícios da música na saúde de prematuros

Pesquisas da área de Enfermagem, do CCS (Centro de Ciências da Saúde) - graduação e pós-graduação - da UEL (Universidade Estadual de Londrina), comprovam a eficácia da musicoterapia na saúde de bebês prematuros (pré-termo). A iniciativa, coordenada pela professora Adriana Valongo Zani, do Departamento de Enfermagem, é desenvolvida desde março de 2017 e já apresenta resultados significativos.

Divulgação/Projeto/CCS
Divulgação/Projeto/CCS


Para se ter uma ideia, a música executada para bebês reduziu a frequência respiratória - em média - em 9%, diminuiu a frequência cardíaca em 5% e aumentou a saturação de oxigênio em 2%. Esses resultados foram levantados pela enfermeira Amanda Barcelos, para a monografia da residência em Enfermagem Neonatal. "Percebemos que a música melhora vários níveis de saúde do recém-nascido prematuro", afirma Amanda Barcelos.

A professora Adriana Zani lembra que a musicoterapia oferece duas possibilidades. A primeira é a passiva, na qual o paciente ouve sons e melodias, com ou sem fone. A ativa é a modalidade na qual, o paciente produz sons e ritmos. Integrantes do projeto são adeptos da primeira modalidade, a passiva. Ela diz que a música proporciona muitos benefícios, mas pode ser iatrogênica, ou seja, causar complicações decorrentes de tratamentos de saúde. O desafio, conforme a professora, é tratar os prematuros para que tenham mais qualidade de vida.

Adriana Zani explica que o objetivo do projeto de pesquisa é avaliar os efeitos da musicoterapia na redução dos agravos causados ao bebê prematuro e sua família. O público é composto pelos recém-nascidos hospitalizados nas UTI (Unidades de Terapia Intensiva) e UCI (Unidades de Cuidados Intermediários) do Hospital Universitário (HU) de Londrina. "A musicoterapia é incluída na lista de práticas integrativas, regulamentadas pelo SUS [Sistema Único de Saúde]", justifica a professora.

Além dos bebês, a pesquisa da UEL mediu o efeito da música nos níveis de estresse e de ansiedade na produção láctea de mães dos recém-nascidos prematuros. "Verificamos um aumento médio do volume de leite [materno] de 25,6% e uma redução nos níveis de estresse e ansiedade de 58,5%", registra a enfermeira Letícia Costa, que defendeu dissertação, recentemente, pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Ela explica que a coleta de dados foi feita em duas etapas.

Para os bebês, é utilizada uma seleção musical orquestrada em composição feita especialmente para a unidade neonatal por uma musicista, a pedido da chefe da Divisão da Unidade-Materno Infantil, Valéria Costa Evangelista da Silva, e validada pela musicoterapeuta Gislaine Moreira Matos. Para as mães e os pais, é usada uma seleção de 12 músicas que vão de MPB a canções clássicas selecionadas, também, pela musicoterapeuta Gislaine Moreira Matos.

Núcleo - Os trabalhos sobre os efeitos da musicoterapia em recém-nascidos prematuros e suas famílias integram o Nenofa (Núcleo de Estudos em Neonatologia Obstétrica e Família). Conforme a professora Adriana Zani, já foram defendidos 10 trabalhos e oito estão em desenvolvimento. São estudos de graduação, lato sensu (especialização) e stricto sensu (mestrado e doutorado). As pesquisas contam com a parceria da chefe de Divisão Materno-infantil do HU, Valéria Costa Evangelista da Silva.

A estudante Edrian Zani, durante a graduação em Enfermagem, pesquisou as representações maternas na associação da musicoterapia à posição canguru, na qual há contato pele a pele. Entre os resultados, as mães ressaltaram o vínculo com seus filhos, a redução da ansiedade e a melhoria da concentração. Já a doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Milena Lago, vai estudar o efeito da música sobre o pai de recém-nascidos.

PICS - O Ministério da Saúde, atualmente, oferece 29 procedimentos de PICS (Práticas Integrativas e Complementares) à população. Conforme o portal do Ministério da Saúde, "evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares". Além da musicoterapia, o SUS oferece outros procedimentos como aromaterapia, acupuntura, fitoterapia, florais e yoga. A lista completa pode ser conferida aqui.
Agência UEL
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Fertilização in vitro

Casais homoafetivos podem ter filhos por reprodução assistida

Fique ligado

Hemocentro divulga horário de atendimento no Carnaval

Veja mais e a capa do canal