20/02/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Efeitos positivos

Tratamentos estéticos têm efeito positivo no tratamento do câncer de mama

O câncer de mama é uma realidade no mundo: esse é um dos três tipos de maior incidência (ao lado do de pulmão e do de colorretal) e o que mais atinge mulheres em 154 países dos 185 analisados. Os dados são a IARC (Agência Internacional de Pesquisa em Câncer).

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


No Brasil, conforme o Inca (Instituto Nacional do Câncer) aponta, a estimativa é que em 2019 sejam registrados 59,7 mil novos casos, o que representa uma taxa de 51,29 casos a cada 100 mil mulheres. Às vésperas do Outubro Rosa, mês dedicado à conscientização e prevenção da doença, a médica Paula França Müller avisa: tratamentos estéticos podem ajudar no combate ao câncer de mama.

"A mulher que se submete a um tratamento contra o câncer de mama está sujeita a perder o cabelo e a ter sua pele prejudicada, pois tanto a quimioterapia quanto a radioterapia são agressivas, em certa medida. Portanto, usar tratamentos estéticos para melhorar a autoestima da mulher pode ter um efeito muito positivo durante o tratamento da doença”, explica Müller, que é médica em Londrina e professora da PUC (Pontifícia Universidade Católica), campus Londrina.

Entre os tratamentos indicados, alguns são bem simples e acessíveis, como sabonetes líquidos, cremes hidratantes e xampus hipoalergênicos. Esses itens podem ser grandes aliados dos medicamentos utilizados no tratamento da doença. Esfoliações leves também ajudam a remover a pele, que escama. Até mesmo a hidratação com hidratantes e com uma máscara oclusiva podem ajudar.

"A estética ajuda no bem-estar das pacientes, mas nunca substitui o tratamento específico para o câncer de mama. Entretanto, a estética potencializa a autoestima e, com isso, as possibilidades de cura. Sabemos que o estado de espírito da paciente interfere no tratamento”, ressalta a especialista. Dessa forma, a indicação para o início de um tratamento estético, nesses casos, é logo após o diagnóstico ou depois do início da quimioterapia.

Entretanto, também há algumas contraindicações, tais quais o uso de ondas eletromagnéticas (peelings, por exemplo) e criolipólise, além de recomendações de doses baixas de laser, ultrassom e ablativos. "Alguns desses tratamentos podem ferir tecidos já debilitados, provocando um efeito contrário. Então, é preciso tomar muito cuidado”, finaliza a médica.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Fertilização in vitro

Casais homoafetivos podem ter filhos por reprodução assistida

Fique ligado

Hemocentro divulga horário de atendimento no Carnaval

Veja mais e a capa do canal