18/02/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Greve Nacional

Londrina: 32.782 alunos ficam sem aula na rede municipal nesta quarta-feira

Shutterstock
Shutterstock


Em Londrina, 32.782 alunos que estudam em 103 instituições de ensino da rede municipal de Educação devem ficar sem aulas nesta quarta-feira (15), data em que está prevista a Greve Nacional da Educação. Apenas 17 escolas que atendem 5.427 alunos devem continuar suas atividades normalmente, de acordo com levantamento prévio da Secretaria de Educação junto aos diretores.


A manifestação nacional pela Educação em Londrina começa a partir das 9h, no Calçadão, em frente ao Banco do Brasil.

A orientação da secretaria é de o que os diretores orientem alunos e pais sobre o que acontecerá em cada unidade. Caso haja dúvidas, informações devem ser obtidas nas escolas. Haverá reposição das aulas perdidas no dia 27 de junho, quando aconteceriam práticas pedagógicas.

Confira quais escolas vão funcionar normalmente:

E.M. Carlos Dietz
E.M. Corveta Camaquã
CMEI Lavinia Monteiro de Moraes
E.M. Haydée Colli Monteiro
E.M. Moacyr Camargo Martins
E.M. Vilma Rodrigues Romero
CMEI Tião Balalão
E.M. Da Vila Brasil
E.M. Mábio G. Palhano
E.M. Arthur Thomas
E.M. Bartolomeu de Gusmão
E.M. Eurides Cunha
E.M. Aracy Soares dos Santos
E.M. Armando Rosário Castelo
E.M. Johnn Kennedy
E.M. Jadir Dutra de Souza
E.M. Machado de Assis

Escolas estaduais

O presidente da App-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná) em Londrina, Márcio André Ribeiro, afirma que o sindicato não faz um levantamento de forma antecipada da adesão ao movimento para não haver constrangimentos. "É uma decisão pessoal, pois se houver uma punição, aí cada pessoa tem que assumir", explica.

"A impressão é de que vai ser um grande ato. Pela primeira vez na história - não há relatos de que já tenha ocorrido - vão se reunir as três esferas da educação pública: municipal, estadual e federal, todos juntos em um ato unificado", diz o presidente. "Infelizmente, o momento que estamos passando nunca aconteceu na história do país. O desmonte da educação pública chegou a esse nível. Não só como educadores, mas como pais e mães - eu tenho filhos que estudam no IFPR, na universidade estadual – vamos defender a educação", frisa.

Em contato com o Núcleo Regional de Educação em Londrina, o órgão informou que a Seed (Secretaria de Estado de Educação) enviou comunicado afirmando que, para o cumprimento do calendário letivo, as atividades de quarta-feira ocorrerão normalmente. Todos os diretores e escolas estão cientes, conforme o núcleo.
Larissa Ayumi Sato - Grupo Folha
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Bolsas de estudo

Biomedicina está entre os cursos mais concorridos da saúde

Veja mais e a capa do canal